quinta-feira, 12 de maio de 2016

DILMA CONDENA GOLPE E CONVOCA RESISTÊNCIA

Ao discursar após ser notificada de seu afastamento por 180 dias da presidência da República, Dilma Rousseff denunciou que o processo de impeachment é "frágil, juridicamente inconsistente, injusto e desencadeado contra uma pessoa honesta e inocente"; "Quando uma presidente eleita é afastada por um crime que não cometeu, o nome que se dá a isso num ambiente democrático é golpe", afirmou, cercada por parlamentares e ex-ministros de seu governo no Palácio do Planalto, que gritavam, em sua entrada: "Dilma guerreira da Pátria brasileira"; "Eu já sofri a dor invisível da tortura, agora sofro novamente a dor inominável da injustiça. O que mais dói é a injustiça", declarou; Dilma também lembrou que nunca reprimiu opositores, alertando para o risco de que o governo dos sem-voto venha a agir dessa maneira; ao povo à frente do Planalto, Dilma falou em "hora trágica" e disse que " jovem democracia brasileira está sendo alvo de um golpe"

12 de Maio de 2016

Agora é oficial. A presidente Dilma Rousseff foi notificada pelo primeiro-secretário do Senado, senador Vicentinho Alves (PR-TO), de seu afastamento do cargo por até 180 dias, enquanto o processo de impeachment será conduzido no Senado.

Em seu discurso, Dilma denunciou que o processo de impeachment é "frágil, juridicamente inconsistente, injusto e desencadeado contra uma pessoa honesta e inocente".

"Quando uma presidente eleita é afastada por um crime que não cometeu, o nome que se dá a isso num ambiente democrático é golpe", afirmou, cercada por parlamentares e ex-ministros de seu governo no Palácio do Planalto, que gritavam, em sua entrada: "Dilma guerreira da Pátria brasileira".

"Eu já sofri a dor invisível da tortura, agora sofro novamente a dor inominável da injustiça. O que mais dói é a injustiça", declarou.

Dilma também lembrou que nunca reprimiu opositores, alertando para o risco de que "um governo dos sem-voto" venha a agir dessa maneira. Segundo ela, houve "uma espécie de eleição indireta" para que o vice Michel Temer assumisse o poder.

Após seu discurso oficial, dentro do Palácio, Dilma deixou o local cercada por seguranças e dezenas de parlamentares e ex-ministros. Do lado de fora, voltou a discursar para o povo que a aguardava, em solidariedade.

Ao lado do ex-presidente Lula, Dilma falou em "hora trágica" e anunciou que "a jovem democracia brasileira está sendo alvo de um golpe". "O golpe está baseado em razões as mais levianas, as mais injustificáveis", acrescentou.

A presidente voltou a destacar que não reprimiu manifestantes em seu governo: "Meu governo jamais reprimiu movimentos sociais, protestos, mesmo que fossem contra mim. O que é um risco que nós corremos agora, por parte de um governo que não foi legitimamente eleito".

Após os atos, a presidente segue de carro até o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, a poucos quilômetros do Planalto, onde permanece durante os até 180 dias em que deve ficar afastada.

Do Brasil 247

http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/231744/Dilma-condena-golpe-e-convoca-resist%C3%AAncia.htm

Nenhum comentário: